13 tendências tecnológicas nos negócios em 2018

TÊNDENCIAS - IMAGEM ILUSTRATIVA

Imagem ilustrativa

O ano já começou e está na hora de acompanhar as novidades na tecnologia e integrar estas ao seu negócio. Desde inteligência artificial, ao processamento de linguagem natural e a visão por computadores, muita inovação está vindo para otimizar a sua empresa.

Dá uma olhada nessas tendências e já se prepare para incrementá-las na sua empresa e crescer seu desenvolvimento.

1 – Tecnologia de Saúde Inteligente

No mês passado, a Amazon, a Berkshire Hathaway e a JPMorgan Chase anunciaram uma joint venture com foco no uso da tecnologia para oferecer aos seus funcionários e suas famílias “cuidados de saúde simplificados, de alta qualidade e transparentes, a um custo razoável”. As ações de seguros de saúde caíram, com as teorias dos observadores da indústria sobre como a nova tecnologia pode afetar amplamente os cuidados de saúde. Alguns analistas veem ganhos já sendo feitos em cuidados preventivos.

Em 2018, a empresa de pesquisa de mercado da Tech ABI prevê que as empresas adotarão amplamente o monitoramento remoto de pacientes, com 18 milhões de wearables incorporados em programas corporativos de bem-estar. A empresa prevê que esse número saltará para 44 milhões até 2021.

2 – Vídeo, videoconferência e VR

Em uma pesquisa com cerca de 300 empresas para determinar o que promove uma ótima experiência para os funcionários, os pesquisadores do MIT se surpreenderam com o mais votado: o vídeo. Os investimentos em tecnologia de vídeo levaram à inovação com uma melhor colaboração e produtividade, descobriram pesquisadores.

“Vemos empresas que investem significativamente em tecnologias de vídeo interativo, particularmente porque eles expandem o uso de metodologia ágil para além de suas equipes de desenvolvimento de software”, diz Kristine Dery, cientista de pesquisa do Sloan Center for Information Systems Research do MIT.

Dery prevê que a tecnologia de vídeo continuará a simular e melhorar a comunicação cara a cara com novos recursos, como a Realidade Virtual (VR) e outras tecnologias de imersão, especialmente porque as organizações trabalham para preencher a lacuna de habilidades com as equipes distribuídas.

3 – Chatbots

O serviço ao cliente é uma área onde a transformação digital está se impondo. O Gartner prevê que uma pessoa terá mais conversas com bots do que com seu cônjuge até 2020.

“Em 2018, os chatbots rapidamente se tornarão mais sofisticados, reduzindo drasticamente os custos das atividades rotineiras de atendimento ao cliente e, muitas vezes, melhorando a experiência do cliente”, diz Scott Zoldi, diretor de analistas da FICO. “No próximo ano, os chatbots compreenderão rapidamente o tom, o conteúdo e os caminhos de conversação de maior valor para atingir vários objetivos”.

4 – Internet das coisas

Um relatório recente da CompTIA afirma que os dispositivos IoT estão ajudando a reduzir custos e melhorar a eficiência em ambientes industriais.

O estudo informa que “desde a coleta de novos dados até a automação das infraestruturas, as empresas estão encontrando muitos benefícios de adicionar conectividade e inteligência à infraestrutura física”.

Rowan Trollop, vice-presidente sênior da IoT da Cisco, observa aumentos de IoT em fábricas inteligentes, vinculando dispositivos, sensores e outros ativos. “Os early adopters já estão experimentando grandes reduções no tempo de inatividade dos equipamentos (…) resíduos de processos e consumo de energia nas fábricas”.

O aumento da adoção de IoT apresentará novas ameaças à segurança e na necessidade de fabricação para trabalhar com grupos de TI, identificando os riscos e fornecer ampla proteção, diz Trollop. “Escalar riscos significa que uma indústria geralmente lenta para implementar medidas de segurança precisa ser mais ágil nas medidas protetivas”.

5 – Controle de voz e assistentes virtuais

Analistas e outros especialistas dizem que 2018 é um ano em que o processamento da linguagem natural melhora substancialmente e se apodera da empresa, uma tendência que continuará à medida que os trabalhadores que cresceram com o controle de voz integrado com a computação em nuvem começarem a ingressar na força de trabalho.

“Os assistentes ativados por voz já começaram a permear a configuração do negócio, mas ainda são primários em termos de aproveitar e desbloquear o poder do que esta tecnologia pode fazer completamente”, diz Christian Pedersen, diretor de produto da S/4HANA Cloud, da SAP .

Mas qual será o impacto direto com os assistentes de voz no local de trabalho? “No curto prazo, vemos assistentes ajudando a aumentar a produtividade e a melhorar o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal. No longo prazo, veremos assistentes de voz substituindo nossas telas e teclados de computador “, acrescenta Pedersen.

6 – Experiências imersivas (RA, RV, Realidade Mista)

A empresa de pesquisa Gartner espera que no próximo ano a Realidade Aumentada (RA), a Realidade Virtual (RV) e a Realidade Mista – que combina aspectos das outras duas – serão usadas por 20% das grandes empresas.

“As experiências imersivas através do uso de HMDs ( head-mounted displays) continuarão a melhorar a um ritmo acelerado”, diz Lewis Richards, diretor do Leading Edge Forum. “Todos os principais jogadores estão em uma corrida para fornecer ferramentas de consumo que irão construir ecossistemas em tono de plataformas”. O Gartner prevê que a HMDs criará US$ 72 bilhões em receita para os dispositivos, sozinhos.

Bill Bodin, CTO da Kony, explica casos de uso da Realidade Aumentada em uma variedade de indústrias. “No varejo, aumentamos prateleiras e produtos em tempo real”, diz ele. “Em manutenção, reparo e muitas aplicações industriais, criamos sobreposições informacionais em equipamentos mecânicos ou elétricos, colocando métricas chave de instrumentação diretamente nas mãos das pessoas que atendem a área. Para os aeroportos, criamos displays virtuais, personalizados para o viajante. Nos bancos, usamos a tecnologia para direcionar os clientes para áreas de serviço chave e mostrar dinamicamente os nomes e áreas de especialidade da equipe. Para aqueles que dão suporte a equipamentos bancários, como caixas eletrônicos, fornecemos visões de falhas periféricas internas e fornecemos referências seguras de reparo adaptadas precisamente ao problema”.

O Gartner prevê que a Realidade Aumentada superará o uso comercial da Realidade Virtual. “A tecnologia evoluirá de projetos-piloto com crescimento modesto para modelos de negócios sustentáveis, maturidade do mercado e disponibilidade global”, afirma a empresa. “O envio de tecnologia em 2020 será marcadamente diferente do que hoje em dia”.

7 – Fabricação Inteligente

A empresa de pesquisa ABI identifica a fabricação inteligente como uma tecnologia transformadora para prestar atenção. Em última análise, o objetivo é criar uma experiência hands-free, heads-up, onde a informação pode ser acessada exatamente onde o trabalho é executado.

Entretanto, a impressão 3D industrial – para protótipos e peças criados sob demanda – está em alta: “A ABI espera movimentação de US$ 75 bilhões em produtos e peças impressas em 3D nos EUA até 2026. O valor da tecnologia orientada à inovação na manufatura é maior do que a soma de suas partes para os players nos mercados finais, geralmente grandes, com um conjunto de necessidades bem compreendidas e margem reduzida “.

8 – Visão Computacional

Com o buzz em torno de veículos autônomos e lojas inteligentes como Amazon Go, a visão por computador está tendo seu momento.

“A estratégia de rastrear a jornada dos clientes passou do mercado online para as lojas físicas”, diz Eli Portnoy, CEO da empresa de pesquisa e inteligência Sense360. “A proliferação de sensores disponíveis, avanços em visão computacional e em Inteligência Artificial estão criando uma variedade de novas aplicações. Assim como empresas como a Amazon têm monitorado e registrado nossos hábitos e preferências de compras, há algum tempo, as lojas de tijolo e argamassa estão cada vez mais procurando fazer o mesmo para se manterem competitivas “.

O transporte de mercadorias é uma área madura para integração de IA e visão computacional, diz Chris Nicholson, CEO da Skymind. “A FedEx e outras grandes empresas estão pilotando essa tecnologia, enquanto startups, como a [empresa de caminhão] Peloton, estão construindo isso do zero”.

Empresas que procuram contratar engenheiros estão descobrindo que esta é uma tarefa difícil. “A visão por computador é a posição mais difícil de preencher”, diz Mike Grandinetti, CMO e CSO da empresa de armazenamento Reduxio.

9 – Inteligência artificial para serviços

Neil Sahota, líder mundial em desenvolvimento de negócios do grupo IBM Watson, diz que este ano veremos a IA fazer avanços em indústrias tão variadas como imobiliária, jurídica e mais visivelmente, na hospitalidade.

“À medida que mais convidados exigem um serviço de portaria sempre personalizado, os hotéis estão ativando chatbots para criar concierges que podem ajudar com qualquer pedido em tempo hábil”, diz Sahota. “Ao lembrar e processar toneladas de informações que vão desde as recomendações do restaurante mais próximo até o clima de amanhã, a IA pode ajudar os desenvolvedores a criar bots que atendam as preferências de cada hóspede. Além disso, os bots permitem que os hóspedes se envolvam com o hotel a partir de qualquer local através de seus dispositivos móveis. Hotéis como Marriott International e Cosmopolitan Las Vegas já começaram a implementar serviços de concierge através de bots, e haverá mais hotéis se movendo nessa direção em 2018. ”

Kevin Ryder, chefe de marketing da empresa de software Integrated Research, concorda.

“A IA também está ajudando a prever o comportamento do cliente, fornecendo conselhos aos representantes de serviço ao cliente sobre a melhor maneira de resolver um problema específico”, diz Ryder. “Em 2018, veremos uma aceitação ainda maior de bots como uma alternativa legítima à interação humana para atendimento ao cliente”.

10 – Containers e microservices

Containers e microservices estão atraindo o interesse de organizações que precisam desenvolver aplicativos rapidamente, especialmente aqueles que empregam o IoT e/ou nuvem.

“É interessante ver os projetos da IoT que empregam tecnologias como Edge Computing, Computação sem servidor e containers, juntamente com estruturas organizacionais em torno de DevOps e microserviços”, diz Todd Loeppke, arquiteto principal e CTO da Sungard AS.

As plataformas de containers e microservices são atraentes para projetos menores e novos com baixo risco, diz Dan Juengst, evangelista de tecnologia da OutSystems.

“À medida que as organizações se tornam mais confortáveis ​​com o gerenciamento dessas modernas arquiteturas de microserviços baseados em containers, veremos crescimento contínuo”, diz Juengst. “Muitas organizações defenderão plataformas de orquestração de containers, como Docker, Kubernetes ou Cloud Foundry, para ajudar a gerenciar o ciclo de vida dos containers à medida que seu uso cresce”.

11 – Blockchain

Amit Zavery, vice-presidente sênior de desenvolvimento de produtos da Oracle Cloud Platform, diz que o efeito do blockchain está sendo visto fora do setor financeiro, em áreas como cadeia de suprimentos e segurança .

“Já foram arquivadas mais de 2.500 novas patentes relacionadas ao blockchain”, diz Zavery, “enquanto o impacto financeiro está previsto para movimentar US$ 176 bilhões em 2025. Em apenas dois anos, esperamos que o Blockchain se torne o padrão disruptivo no comércio moderno. Você poderia argumentar que a cadeia de blocos já alcançou esse status e está começando a influenciar outras indústrias profundamente, nos setores de saúde, varejo, setor público e outras áreas.

Vincent Manier, CFO da Engie Insight, diz que veremos uma grande disrupção nos departamentos de finanças das empresas que se expandem além da contabilidade. É crucial que os CFOs não apenas examinem de perto o Blockchain, mas também se preparem para o impacto em suas organizações internamente. Tudo, desde a reconciliação e a aplicação de caixa e a correspondência de faturamento, pode ser retomado em breve por implementações de blockchain”.

12 – Edge e cloud computing

A combinação de tecnologias de nuvem e edge computing oferece benefícios de poder computacional na borda da rede com a capacidade de hospedar, manipular e analisar dados transferidos dessas fontes localizadas na borda. Pense em dados de saúde pessoal enviados para uma nuvem centralizada ou dados de um carro enviados para a nuvem para aliviar o congestionamento de trânsito.

“Embora seja comum assumir que a computação em nuvem e a edge computing são abordagens concorrentes, é um mal-entendido fundamental dos conceitos”, de acordo com um relatório do Gartner. “As empresas devem começar a usar padrões de design de borda em suas arquiteturas de infraestrutura”.

“É um novo paradigma, que amplia as arquiteturas existentes para casos de uso específicos”, diz Glen Robinson, assessor de tecnologia emergente do Leading Edge Forum. “Isso ajuda a reduzir a latência, desacoplar sistemas, construir a resiliência e reduzir os custos, por isso é bom, mas as arquiteturas híbridas e de borda estão mal compreendidas”.

13 – Ética digital

Uma preocupação frequentemente mencionada, à medida que as empresas sofrem sua transformação digital, é como abordar uma quantidade quase esmagadora de dados e obter informações.

Jewell Parkinson, diretor de RH da SAP, diz que essas mesmas questões também afetarão os recursos humanos, onde novos fluxos de dados oferecem oportunidades e também desafios na manutenção do foco das empresas em ética, cultura corporativa e conformidade.

“O que 2017 nos mostrou é a necessidade de um foco dedicado, unindo forças com outras partes interessadas em toda a empresa, operando como principal proteção cultural para organizações de todos os tamanhos e indústrias”, diz Parkinson. “Em 2018, veremos foco contínuo na importância da cultura, reputação e engajamento tecnológico socialmente responsáveis”.

Anúncios